4.7.14

7 anos e um quarto branco

 Ao João: corpo inalterável do nosso Amor





*****************
Para os que aqui estão
visíveis ou não

não há um só dia em que não diga o teu nome ou te cite ou te convide a veres
as conquistas, os encantos e as maravilhas do que se passa aqui atrás de ti.

Visitas-nos, não só a mim mas a todos os corpos do nosso amor comum, periodicamente
e vemos-te mais novo, habitar aquele corpo do princípio
apareces mais definido, nesses dias, como um eco que languidamente se desvanece até à calma.
Então fala-se e discute-se mais sobre ti, baixinho ou ao telefone para evitar acordar-te, tu que não gostas que te perturbem a sesta (declarada a meio da tarde porque ao deitares-te pões a almofada sobre os olhos).

sempre o dissemos, desde o início destes 7 anos que nos fizeste melhores e mais atentos.
Mais solitários também, mais sensíveis, mais livres
No entanto, e por isso peço que se digam estas palavras hoje,  domesticamos de melhor maneira a dor de sabermos que não chegarás a casa àquela hora para o jantar.
Ou de que no dia dos aniversários não poderás escalar as cadeiras e cantar connosco também eufórico. 

Temos um paraíso
Temos uma corte fiel de fauna e flora que exige estima e dá sentido
Temos tempo e sede de tempo
Temo-nos a nós todos reunidos em uníssono, contigo João.

23.6.14

Situs Inversus - tout est inversé!


"He thought that I thought that he was a queer. Whereas he knew that I knew that he knew that I was too"  - from "Fun Home" by alison bechdel

comme quoi ce qu'on lit nous choisi et pas inversement. 

24.4.14

Ver Luisant

  • Le mot pour l'histoire qui sauve: Ver Luisant
    • On dit qu'à Venise au XVIIIème les femmes en mettaient dans leurs coiffures pour les soirées de bal!

16.4.14

Llegó por la noche: Luego me enamoré

(...)
luego me enamoré tía! jaja cualquier cosa, en una de mis salidas nocturnas el sábado conocí a un chico vasco (re vasco, de un mini pueblo ahí perdido en el norte de españa) y pasamos la noche caminando y besándonos, re tierno, re lindo, luego nos volvimos a ver anoche, charlamos un montón pero es lo opuesto a mí, igual qué va, está viajando, ya se está yendo, ni sé si lo volveré a ver jaja pero hace bien y mucha ternura y piel! 
(...)

gracias!

20.2.14

Comment est-il possible ne pas avoir dit son nom avant?

ESPERO

Espero sempre por ti o dia inteiro,
Quando na praia sobe, de cinza e oiro,
O nevoeiro
E há em todas as coisas o agoiro
De uma fantástica vinda.

              Sophia de Mello Breyner

21.1.14

Lord: alma antiga

Alegria nos corações.
as maravilhosas horas de passeio silencioso
e a confiança dada só à mamã com quem fala naquele código só deles (porque se conhecem de outras vidas e das que ainda virão)
um carácter de gato, vigilante e de alma antiga
a aceitação cega da tua mão e ouvido mais sensível à voz feminina - que bom gosto
as primeiras horas da manhã e as do final do dia.
o prazer das laranjas a pedaços
o relincho de quem reconhece

a intransigência perante uma picadela de vespa

Um outro corpo inalterável do nosso amor


19.1.14

Seré lo que debiera. Tu pie. Tu mano.


(...)
Será ya como sea.
Tal vez me estalle el cuerpo todo
lo que he esperado
Me comerás entonces dulcemente
pedazo por pedazo.
(...)

de Juan Gelman.

7.1.14

EveryMonth Limited Edition

Et voilà la réponse à l'invitation de Léa Habourdin

Pour cette nouvelle année de 2014 Léa a décidé d'inviter des collaborateurs pour créer les EveryMonths. Pour ce Janvier j'ai reçu une photographie et j'ai construit l'édition, le mois prochain Léa répondra à la photo que je proposerai.
En vente sur son site, ici:



EveryMonth is a self-edited project available only by post. You can subscribe for 3, 6 or 12 months by following the paypal link bellow. Each issue is sold 4.50€ postage fees included for Europe. 
 
EveryMonth est un projet auto-édité disponible uniquement par voie postale. Vous pouvez vous y abonner pour des périodes de 3, 6 ou 12 mois en cliquant sur le bouton paypal ci-dessous. Chaque numéro est au prix de 4.50€ frais postaux inclus pour l'Europe. 


Abonnements / Subscriptions

23.12.13

desde uma dôr de cansaço último eu vi duas coisas nestes dias

à partir d'une douleur de fatigue ultime j'ai vu deux choses ces jours-ci:

L'Adèle de Abdellatif Kechiche

 et

Remember what l'm telling you: whatever you do don't sell your you. cause if you do. you' II lose your you. The Black Rider

e ainda choro
avec un coeur-larme.

11.12.13

não é todo

Ácidos e óxidos
 
(...) 
E o orgulho é a nossa verdadeira casa 
Nesta altura do ano quando o vento sopra 
sobre os nossos dias, sabes quem gostava de ser? 
Não, cargos ou honras, não. Um simples gato ao sol, 
talvez uma maneira ou um sentido para as coisas 

Ó dias encobertos de verão no meu país perdido 
mais certos do que o sol consumido nos charcos no inverno, 
estas ou outras formas de morrermos dia a dia 
como quem cumpre escrupulosamente o seu dia de trabalho 
Não eras tu, nem isto, nem aqui. Mas está bem, 
estou pelos ajustes porque sei que não há mais 
Pode ser que me engane, pode ser que seja eu 
e no entanto estou de pé, rebolo-me no sol, 
sou filho desta terra e vou fazendo anos 
pois não se pode estar sem fazer nada 
 
(...) 
 
Ruy Belo 

27.10.13

Mesa de trabalho - suite des collections privées

Une autre collection privée ou des gestes humains
Prancha de trabalho, que aparece no seguimento da série Te souviens-tu? ou Lembras-te?
Gestos humanos

13.10.13

Croire que ta nature

Croire que ta nature est
que je suis encore verticale

Crer que a tua natureza é
que eu ainda sou vertical

6.10.13

das coisas que competem aos meus olhos ao meu coração


Je pense toujours que quand on fume, ou tu fumes, notre fumée, ta fumée, ira rejoindre le nuage de fumée sortie des bouches de tous qu'on aime.


22.9.13

(y el cerro por donde subo no se acaba - J.Rulfo)

J'adore quand ils disent:

borrón y cuenta nueva
perder las papeles
marear la perdiz
tirar la casa por la ventana 

 

12.9.13

en vrac

Ce sont beaucoup d'heures à penser. Ou uniquement une pensée que persiste et que suit. Peut-être ce n'est pas possible (la résistance de l'amour fou).
Bien sûr qu'il y aura des rencontres mais je ne suis pas certaine que ce soit possible de vivre avec un être aimé jouant à dompter la détermination.
La détermination, encore plus venant d'une femme éloigne les autres.

Mme Woolf:
“So long as you write what you wish to write, that is all that matters; and whether it matters for ages or only for hours, nobody can say. But to sacrifice a hair of the head of your vision, a shade of its colour, in deference to some Headmaster with a silver pot in his hand or to some professor with a measuring-rod up his sleeve, is the most abject treachery, and the sacrifice of wealth and chastity which used to be said to be the greatest of human disasters, a mere flea-bite in comparison.” 
 Virginia Woolf, A Room of One's Own

8.9.13

3 jours: deviner, sans toucher, la douceur d'une peau bronzée

3 dias
o perfume das raparigas nos fins de tarde do fim do Verão.
e adivinhar a doçura de uma pele bronzeada sem tocar.

j'ai pas fini

e isto (d'Eva):






30.6.13

I have measured out my life with coffee spoons.



“For I have known them all already, known them all—
Have known the evenings, mornings, afternoons,
I have measured out my life with coffee spoons.”


T.S.Elito, The love Song of J.Alfred Prufock

21.6.13

8.6.13

Estar contra.


Fiquei em Ontem.
Brincos de cereja.
Cansaço em dois copos de vinho.

E a metamorfose numa esquina.

7.5.13

A imagem é neste momento a sua própria condição



A fotografia que eu fiz mas que ainda não vi. A imagem é o caminho até ela.


Falando daquelas que fiz, posso explicar o que elas são agora. Estão enroladas dentro da bobina. Na bolsa que protege contra os raios X (que uso normalmente quando viajo de avião). Ultimamente nem a utilizo tanto, os filmes viajam na mala.
Esta bolsa protecção está no armário do quarto na prateleira de baixo, ao lado dos sapatos de salto alto (que espero pela ocasião, ou a coragem, para serem calçados).
Há várias bobinas, e como não as identifiquei a fim de distingui-las, não te poderia dizer onde está aquela imagem ou aquela outra. Posso sim, está na bolsa anti-raios X, na última prateleira, a contar de baixo, do armário do quarto. 
A imagem é neste momento a sua própria condição.

29.3.13

collections privés II

Private Collections II.
Celle-ci est une collection domestique - toujours en progrés.
A casa

17.3.13

Con la boquita llena de tac tac tac 1; 2 , 3 Tac. 
yo te guio, tu me llevas.

14.3.13

Ouvrir la porte - mes quelques collections privés

Berlin

Abrir a porta - algumas colecções privadas
I let you in. - private collections
É banal e ao mesmo tempo penso na angústia do The Birds, do Alfredo Hitchcock
Sempre atenta ao céu por varias razões: uma delas esta.



4.2.13

TU, yo y Alf 
the way back from Barcelona and Évora. 
Ver amigos/família e a família. Sunny days, dias de sol e eu só penso: porquê sofrer? Porquê viver na certeza implacável do branco (cujo só belo é fazer-nos ir devagar), quando há lugares tão maravilhosos cheios de luz quente? 

 Sunny days, qnd my only thought: why to live in the ruthless white (whose only beauty is to make us going slowly) when there are such wonderful places full of warm light?